Febre na gravidez é sempre um motivo de preocupação para a grávida por medo de causar algum dano sério ao bebê em desenvolvimento, principalmente no primeiro trimestre da gravidez.

Você deve saber que o aumento da temperatura corporal é um mecanismo de defesa do corpo, que entra em um processo de combater os vírus e bactérias intrusas no sistema.

Ter febre alta (acima de 39 graus) não afeta o desenvolvimento do bebê, de modo geral a febre em si não provoca nos primeiros meses malformações ou aborto espontâneo, mas o que pode afetar diretamente o bebê são as causas subjacentes desse aumento de temperatura.

Por isso, é importante estar alerta para alguns sintomas que possam resultar em algumas complicações durante a gravidez:

Portanto, é importante para estar alerta para alguns sintomas para governar para fora que a febre é o resultado de uma complicação na gravidez.

– Diarreia;
– Vômitos frequentes;
– Febre alta (acima de 39 graus);
– Dor ao urinar (poderia ser um sinal de uma infecção do trato urinário);
– Hemorragia vaginal;
– Perda de líquido amniótico;
– Dor de cabeça muito forte;
– Dor abdominal ou contrações uterinas.

Caso você possua algum desses sintomas deve ir urgentemente ao médico. Principalmente não exista nenhuma razão clara para a causa, pois esses podem ser um sinal de uma doença mais grave, como uma infecção ou até mesmo a pré-eclâmpsia.

Como tratar a febre na gravidez?
Em episódios de febre na gravidez é muito comum fazer uso do paracetamol, mas o medicamento só deve ser tomado sob prescrição médica. Durante a gravidez evite fazer uso de medicamentos para não prejudicar o feto em desenvolvimento.

Apesar de existir alguns estudos sobre o uso frequente do paracetamol durante a gravidez poder está relacionado com a asma infantil, a medicação não possui um efeito nocivo  que seja contra indicado durante a gravidez.

Formas naturais para diminuir a febre na gravidez:
Existe algumas alternativas que podem ajudar a diminuir a temperatura corporal, tais como:
– Tomar um banho quente;
– Retirar o excesso de roupa;
– Consumir alimentos ricos em vitamina C (sucos de frutas, sopas e chás);
– Repousar.

Em boa parte dos casos a febre na gravidez não é um sinal de algo grave está ocorrendo na gestação. Geralmente é um desequilíbrio sazonal do sistema imune, mas é importante não negligenciar a febre, pois caso ocorra um complexo processo infeccioso ele irá comprometer seriamente o desenvolvimento do feto.