Muitas mulheres que desejam ter filhos acabam fazendo um tratamento com vacinas contra aborto, mas só devem ser realizado no caso de mulheres que já tiveram dois ou mais abortos seguidos durante as primeiras 20 semanas da gravidez e que não possuem outros problemas de saúde, como doenças na tireoide ou ovário policísticos, que acabam ocasionando essas interrupções durante a gravidez.

Os abortos ocorrem devido a uma resposta do sistema imune da gestante que acredita que o feto é um corpo estranho e deve ser eliminado, já que elas possuem células do pai, que são consideradas entranhas no organismo materno, fazendo com que ocorra um aborto espontâneo.

Como funciona a vacina contra o aborto?
A mulher deverá receber uma vacina com os glóbulos brancos do pai para que as suas células de defesa não identifiquem as células do pai como estranhas durante a gravidez. Evitando assim, que o feto seja considerado um corpo estranho ou algo a ser eliminado, diminuindo os riscos de um aborto.

A vacina é elaborada especificamente para o casal no laboratório, durante o processo será retirado 80 ml do sangue do pai para obter as células brancas, que depois serão misturado ao soro fisiológico e injetados na mulher que pretende engravidar.

Para que o resultado seja positivo, será necessário tomar duas doses desta vacina antes de voltar a tentar engravidar. Lembrando que é muito importante fazer um exame de sangue para avaliar se o corpo da mulher ainda reage as células do seu companheiro, caso seja negativo ela está liberada para tentar engravidar.

Como a vacina pode diminuir o risco de aborto?
Em boa parte dos casos, a gestante é capaz de ignorar os alertas do sistema imune quanto ao “corpo estranho” que na verdade é o feto em desenvolvimento, devido a produção do HLA-G, uma substância que impede o organismo de eliminar o bebê e fazer com que a gravidez se desenvolva corretamente.

Como em alguns casos a mulher pode ter a produção do HLA-G reduzida no organismo, o sistema imune acaba tentando combater o “corpo estranho”, atacando o feto para eliminá-lo do útero materno.  Isso ocorre, pois o nosso organismo tem como mecanismo de defesa essa ação para eliminar qualquer substância estranha, como forma de se proteger de possíveis doenças.

Por isso, esta vacina contra aborto pode ser uma ótima forma de tratamento para diminuir os riscos de aborto em mulheres que já sofreram com esse problema.