Durante a reta final da gravidez a futura mamãe começa a sentir de fato o peso da responsabilidade de ser mãe. E para algumas esse momento pode até ser um tanto assustador ou intimidador. Como tudo ocorre de forma tão rápida mais natural, é normal você se conscientizar que existe um ser humano em sua barriga e que em pouco tempo estará em seus braços. Daí vem àquela pergunta, E agora?

A boa notícia é que você não é a única mamãe que está passando por essa ansiedade e medo. É normal se sentir preocupada e com muitos anseios. Pensando em ajudar a esclarecer algumas questões veja a seguir o que os especialistas tem a falar sobre essas questões.

Ter um filho acabará com meu casamento?
Com certeza o bebê será um novo ponto em seu relacionamento, afinal de contas vocês terão um ser totalmente depende de vocês. Muitas mães temem um possível influência negativa dos filhos ao casamento, apesar de considerar o casamento totalmente estruturado.

Por isso, após o nascimento do bebê tente ao menos uma vez por semana ter um encontro a sós com seu parceiro para que você possam ter um tempo para a relação de vocês. Nesse momento vale elogiar o outro e relatar os esforços que cada um vem fazendo para o bebê.

Como vou construir um vínculo com o meu filho?
Alguns pais acreditam que o amor inicia no primeiro momento em que os olhares se cruzam, já outros acreditam que com a convivência do dia-dia o amor começa a fazer raízes. Mas, para muitos a conexão acaba não ocorrendo de forma imediata. No caso de uma gestação complicada, onde ocorreu um descolamento de placenta prematuro, pré-eclâmpsia e a cesariana, algumas mamães precisam de algumas semanas para que o vínculo seja estabelecido. No caso da mamãe que lutou contra a depressão pós-parto esse vínculo afetivo com seu filho poder ser mais difícil, já que você acredita ser a pior mãe do mundo.

A depressão pós-parto também conhecida como baby blues, é uma tristeza que ocorre na mamãe devido à mudança dos níveis hormonais, pela poucas horas de sono, devido as novas responsabilidades e pelo fato que sua vida está sendo mudada de forma significativa.

Por isso, é aconselhável aumentar o número de sonecas durante essa fase e ter o apoio e suporte da família para que essa fase passe o mais rápido possível. Caso você sinta essa tristeza não deixe de relatar ao seu médico para que você possa iniciar um tratamento.

Não vou conseguir amamentar o meu bebê
Muitas mães ficam se perguntando se terão muito leite suficiente para amamentar o bebê e muitas acabam se culpando caso não consiga, pois estaria com o sentimento de que está fazendo algo de errado ou que o bebê não via está se alimentando direito.

Em primeiro lugar, respire fundo, pois amamentar não é uma tarefa fácil. Mesmo que você se adapta facilmente a situação, as vezes pode ser que leve uma semana para o leite começar a ser gerado. Por isso, tenha uma alimentação saudável e não tenha vergonha de pedir ajuda. Quanto mais dicas você obtiver (do pediatra, da família, de amigos ou de grupos de suporte para amamentação) melhor.