O parto é o momento mais feliz da mulher, mas também surgem inúmeras dúvidas, especialmente para os pais de primeira viagem. Após o nascimento a amamentação é uma das maiores preocupações das mães.

Embora a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomende o aleitamento materno exclusivo no mínimo até os 6 meses de vida, para a sua eficácia no sentido de garantir a saúde e a sobrevivência do bebê, muitas mulheres acabam decidindo substituir o leite materno pelo leite artificial devido a falta de conhecimento sobre o assunto.

10 Mitos sobre o aleitamento materno:

  1. “Eu não produzo leite suficiente”: Muitas mulheres deixam de amamentar o seu bebê por acreditar que está oferecendo leite insuficiente, mas isso é falso. Pois a mama faz leite de acordo com a demanda do bebê. Lembrando que é essencial o bebê ter a pega e ficar na postura correta no momento da amamentação. Além disso, não importa se seus seios são grandes ou pequenos, o tamanho não irá interferir na amamentação.
  2. Mamilos invertidos irão impedir amamentação: Esta afirmação é falsa, uma vez que os mamilos estão mudando nos últimos estágios da gravidez. Além disso, os bebês se apegam a grande parte da aréola, não apenas ao mamilo. De qualquer maneira, caso houver dificuldades em amamentar é aconselhável consultar um médico para avaliar o caso.
  3. Tomar algum tipo de medicação o ter uma gripe ou resfriado, irá não permitirá a amamentação: Essa afirmação é falsa, pois é através do aleitamento que o bebê recebe as defesas que o protege contra as doenças. O que é recomendado quando a mãe está gripada ou resfriada é que se tenha uma boa higiene das mãos e utilizar máscara para cobrir o nariz. Quanto ao uso de medicamentos, boa parte deles podem ser tomadas durante a lactação, mas nunca deixe de consultar o médico.
  4. Beber mais leite produz mais leite: A quantidade de leite produzido pela mãe apenas depende do que ela come, não apenas quanto ao consumo do leite e seus derivados.
  5. Estou menstruada, não posso continuar a amamentação: O período de menstruação não significa o fim da amamentação.
  6. Não sentir que o peito está cheio, quer dizer que não estou produzindo leite suficiente: A sensação de seios inchados pode diminuir ao longo do tempo, de acordo com especialistas, mas isso não significa que a produção de leite tenha sido reduzida.
  7. Uma nova gravidez termina amamentação: Este fato é falso. A mãe ao ficar novamente grávida não significa que deverá parar de amamentar o seu filho. A amamentação pode ser mantida durante a gravidez.
  8. Estresse prejudica a produção de leite: Este mito é falso, pois a quantidade de leite irá apenas depender do consumo do bebê.
  9. As mamadas são frequentes, mesmo assim o bebê está com fome: O bebê pode consumir mais leite materno em função de muitos aspectos que não têm nada a ver com a falta de leite. Por exemplo, em estações quentes ou períodos de crescimento mais expressivo.
  10. Em seis meses deve para de amamentar: Os especialistas da OMS e de outras instituições pediátricas concordam que 6 meses é o limite para parar de amamentar, mas o ponto de partida para incorporar, lentamente, uma alimentação complementar até os seus dois anos.